sábado, 23 de maio de 2020

CAIO JUNQUEIRA - 496 - Arte Tumular - Cemitério São João Batista, Rio de Janeiro




ARTE TUMULAR
Tumulo em granito natural (cinza) disposto no sentido retangular com cerca de 80 cm. de altura. Na parte frontal  se destaca uma cruz latina em relevo no granito. As laterais estão dispostos os nomes e datas.

Local- Cemitério São João Batista, Rio de Janeiro
Fotos-Internet
Descrição tumular- Helio Rubiales

PERSONAGEM
Caio de Lima Torres Junqueira (Rio de Janeiro, 15 de novembro de 1976 — Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2019) foi um ator brasileiro.
Morreu aos 42 anos.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Era filho do ator Fábio Junqueira e irmão do ator Jonas Torres. Após diversas participações em telenovelas da Rede Globo, ganhou destaque nacional em 2004 no remake de A Escrava Isaura, onde interpretou o abolicionista Geraldo. Em 2010 interpretou seu primeiro protagonista na telenovela Ribeirão do Tempo. 

Em 1985, aos nove anos de idade, Caio estreava na TV Manchete ao lado de grandes nomes como Diogo Vilela, Guilherme Osty e Zezé Polessa no programa humorístico Tamanho Família. Logo, foi para a Rede Globo, para participar, ao lado do meio-irmão Jonas Torres, da série Armação Ilimitada. Desde então, formou um extenso currículo na TV, nos palcos e, sobretudo, no cinema. Também na Globo, fez Desejo, Barriga de Aluguel, A Viagem, Engraçadinha: Seus Amores e Seus Pecados, Malhação, Hilda Furacão, Chiquinha Gonzaga, Aquarela do Brasil, Um Anjo Caiu do Céu, O Quinto dos Infernos, O Clone e Um Só Coração. Participou também de episódios em seriados como A Vida Como Ela É, Brava Gente e Sexo Frágil. Em 2004, ganhou destaque ao integrar o remake da novela A Escrava Isaura, onde interpretou o abolicionista Geraldo, melhor amigo do protagonista e que tentava salvar das visões racistas a mimada Malvina. 

Participou em cerca de dez curtas-metragens e 15 longas, que incluem, entre outros, Zuzu Angel, Abril Despedaçado, Quase Nada, For All - O Trampolim da Vitória; e os indicados ao Oscar Central do Brasil (1998) e O Que É Isso, Companheiro? (1997). Recebeu o prêmio de ator revelação no Festival de Gramado de 1997, pelo filme Buena Sorte (1996). Um de seus trabalhos de maior expressão e projeção aconteceu com sua participação no filme Tropa de Elite, lançado em 2007, no qual interpretou o aspirante Neto Gouveia - um dos personagens centrais do filme. O filme, que criou grande polêmica e frequentou a mídia mesmo antes de sua estreia, trouxe Caio de volta à TV. Em 2007, o ator fez uma participação especial na novela Paraíso Tropical e o personagem principal do programa Linha Direta Justiça, interpretando o Cabo Anselmo, ambos na Globo. Em seguida foi escalado para a novela Desejo Proibido, onde viveu o engenheiro Gaspar. 

 Em 2008, subiu aos palcos, ao lado de Wagner Moura e grande elenco, vivendo Horácio em uma nova montagem da peça Hamlet, de William Shakespeare. Também em 2008, iniciou as gravações da série de TV A Lei e o Crime, que foi ao ar no primeiro semestre de 2009. Em 2010, interpretou o atrapalhado Joca, protagonista de Ribeirão do Tempo. Em 2018, participou da série O Mecanismo no papel de Ricky, esposo de Shayenne. 

MORTE
Em 16 de janeiro de 2019, sofreu um grave acidente de carro no Aterro do Flamengo, e foi levado ao Hospital Municipal Miguel Couto em estado grave. Morreu uma semana depois, na madrugada de 23 de janeiro.

Fonte - pt.wikipedia.org
Formatação-Helio Rubiales
Anterior
Próximo

hrubiales@gmail.com

0 comentários: