TEMÁTICA

Este espaço destacará o túmulo de personalidades famosas do meio artístico e histórico- cultural, sem qualquer conotação político-partidária ou religiosa doutrinária.


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades famosas. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural brasileiro. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

“MEMENTO, HOMO, QUÍA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar.”

terça-feira, 16 de agosto de 2016

JOÃO HAVELANGE - Arte Tumular - 358 - Cemitério São João Batista, Rio de Janeiro

O enterro está marcado para às 15h desta terça, no cemitério São João Batista






PERSONAGEM
Jean-Marie Faustin Goedefroid Havelange, mais conhecido como João Havelange (Rio de Janeiro, 8 de maio de 1916 — 16 de agosto de 2016) foi um advogado, empresário, atleta e dirigente esportivo brasileiro.
Morreu aos 100 anos de idade.

SINOPSE
Havelange praticou natação e polo aquático profissionalmente, obtendo uma medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 1955.
Como dirigente, Havelange destacou-se por ser o sétimo presidente da FIFA, de 1974 a 1998, precedido no cargo por Sir Stanley Rous e sucedido por Joseph Blatter. De 1963 a 2011, João Havelange foi membro do Comitê Olímpico Internacional. Em 1998, ele foi eleito Presidente de Honra da FIFA, sendo também torcedor e presidente de honra do Fluminense.

BIBLIOGRAFIA
Filho do belga Faustin Havelange, um comerciante de armas radicado no Rio de Janeiro, onde possuía uma grande propriedade que se estendia pelos atuais bairros de Laranjeiras, Cosme Velho e Santa Teresa, desde a infância se dedicou aos esportes.

No Fluminense, foi escoteiro e atleta, infantil, juvenil e adulto, destacando-se em vários esportes, inclusive no futebol, pois em 1931 foi campeão carioca juvenil. Ainda nesta década graduou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense e competiu como nadador nas Olimpíadas de Berlim, em 1936. Brilhou como jogador de pólo aquático em Helsinque, em 1952, além de comandar a delegação brasileira em Melbourne, em 1956. Posteriormente, foi dirigente de esporte, inicialmente na Federação Paulista de Natação, já que residia em São Paulo na época, em 1948. Quando retorna ao Rio de Janeiro em 1952, se torna Presidente da Federação Metropolitana de Natação e vice-presidente da Confederação Brasileira de Desportos (CBD). A essa época já havia se formado advogado e além de acionista, ocupava o cargo de Diretor Executivo da Viação Cometa, tradicional empresa de transporte rodoviário de passageiros que opera nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná.

CBD e COI
De 1956 a 1974 presidiu a CBD, que congregava, à época, 24 esportes e não somente o futebol. Durante este período, o futebol brasileiro conheceu o ápice de sua história: consagrou-se Tricampeão Mundial de Futebol com a conquista das Copas do Mundo de 1958, na Suécia de 1962, no Chile, e de 1970, no México.

João Havelange, filho de um belga comerciante de armas, afirmou em entrevista no programa da SporTV, "Histórias com Galvão Bueno", que após a morte de seu pai, recebeu convite de uma empresa belga para dar continuidade aos negócios do comércio de armas, mas não aceitou tal convite por ter verdadeira aversão a armas, por se tratar de instrumento de morte e violência. João Havelange declarou que nunca possuiu uma arma em sua vida.

Em 1 de Setembro de 1960 foi eleito Comendador da Ordem da Instrução Pública e a 28 de Fevereiro de 1961 foi eleito Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

Foi eleito para o Comitê Olímpico Internacional (COI) em 1963 e, com mais de 40 anos de mandato ininterrupto, foi decano desse órgão. Foi um dos dois únicos brasileiros que foram membros do COI, juntamente com o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman.

Os membros brasileiros no Comitê Olímpico Internacional, desde a sua criação, até 2012, são os seguintes: (a) Raul do Rio Branco, de 1913 a 1938; (b) Arnaldo Guinle, de 1923 a 1961; (c) Antonio do Prado Júnior, de 1938 a 1955; (d) José Ferreira dos Santos, de 1923 a 1963; João Havelange, de 1963 a 2012; (e) Sylvio de Magalhães Padilha, de 1963 a 2002 (de 1995 a 2002 como membro honorário); (f) Carlos Arthur Nuzman, de 2000 a 2012. Nuzman completou 70 anos em 17 de março de 2.012, pelo que, segundo a Carta Olímpica, ao final do ano deixa de ser membro efetivo do Comitê Olímpico Internacional e passa a integrar a entidade como membro honorário.

Desses membros, José Ferreira dos Santos e Sylvio de Magalhães Padilha integraram a Comissão Executiva do Comitê Olímpico Internacional. Sylvio de Magalhães Padilha foi, também, Vice Presidente do Comitê Olímpico Internacional, de 1975 a 1979. (fontes www.olympic.org e www.cob.org.br) A 13 de Novembro de 1963 foi elevado a Grande-Oficial da Ordem da Instrução Pública.

PRESIDENCIA DA FIFA
Eleito para a FIFA em 1974, permaneceu à frente da entidade até 1998. Organizou seis Copas do Mundo, visitou 186 países e trouxe a China, desligada por mais de 25 anos por razões políticas, de volta à FIFA. Criou também os Campeonatos Mundiais de Futebol nas categorias infanto-juvenil, juvenil, juniores e feminina. Neste período, torna-se amigo de Horst Dassler, herdeiro da marca esportiva Adidas, e dono da ISL, considerada a maior empresa de marketing esportivo do mundo, que comercializa os direitos de televisionamento e publicidade das Copas do Mundo de futebol e das Olimpíadas.

A 21 de Junho de 1991 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito.

Quando deixou a Presidência da FIFA, em 1998, já eleito Presidente de Honra, passou a se dedicar ao trabalho filantrópico junto às Aldeias Internacionais SOS, patrocinado pela entidade em 131 países. Em abril de 2013, aos 96 anos de idade, renunciou à Presidência de honra da FIFA para escapar de qualquer punição por seu envolvimento em casos de corrupção naquela federação.

ACUSAÇÕES DE CORRUPÇÃO
 No livro Foul! The Secret World of FIFA: Bribes, Vote-Rigging and Ticket Scandals, lançado em 2006, o jornalista investigativo Andrew Jennings descreve Havelange como um dirigente corrupto. Segundo Jennings, o filho do fundador e ex-diretor da Adidas, Horst Dassler, comprou votos de delegados indecisos na primeira eleição de Havelange. Dois anos depois, o brasileiro retribuiu o favor entregando a Dassler o poder exclusivo sobre a comercialização dos principais torneios mundiais.
Em 2011, renunciou, dias antes da entidade anunciar decisão sobre casos de corrupção que envolviam o nome do brasileiro

 MORTE
João Havelange, ex-presidente da Fifa, morre aos 100 anos no Rio Ele estava internado desde julho para tratamento de pneumonia. Havelange havia completado 100 anos no dia 8 de maio.  Morreu no Hospital Samaritano, em Botafogo, Zona Sul do Rio. Ele estava internado para tratamento de uma pneumonia desde julho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário