TEMÁTICA

Este espaço destacará o túmulo de personalidades famosas do meio artístico e histórico- cultural, sem qualquer conotação político-partidária ou religiosa doutrinária.


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades famosas. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural brasileiro. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

“MEMENTO, HOMO, QUÍA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar.”

terça-feira, 28 de junho de 2016

PC FARIAS (Paulo César Farias) - Arte Tumular - 355 - Cemitério Parque das Flores, Maceió, Alagoas




ARTE TUMULAR 
Placa de bronze com letras em baixo relevo, com fundo preto, com o seu nome e datas

Cemitério: Parque das Flores, Maceió, Alagoas
Foto: Guilherme Primo
Formatação: Helio Rubiales







PERSONAGEM
Paulo César Siqueira Cavalcante Farias, conhecido como PC Farias, (Passo de Camaragibe, 20 de setembro de 1945 — Maceió, 23 de junho de 1996) foi um empresário brasileiro. Farias ganhou notoriedade por atuar como chefe de campanha de Fernando Collor de Mello e por seu envolvimento no escândalo de corrupção que levou ao impeachment deste, por sua fuga do país e pelas circunstâncias controversas com que foi assassinado.
Morreu aos 50 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Paulo César Farias foi tesoureiro de campanha de Fernando Collor de Mello, e de seu vice Itamar Franco, nas eleições presidenciais brasileiras de 1989. Foi a personalidade-chave no escândalo de corrupção conhecido como "esquema PC", que levou ao primeiro processo de impeachment de um presidente da América Latina, em 1992.

Em matéria de capa da revista Veja, desse mesmo ano, Farias foi acusado por Pedro Collor de Mello, irmão do Presidente da República, de ser o testa de ferro em diversos esquemas de corrupção que passaram a serem descobertos e investigados. O esquema PC arrecadou o equivalente a US$ 8 milhões de empresários privados, equivalente a R$ 30 milhões em 2015, em dois anos e meio do governo Collor (1990-1992). Além disso, o esquema, que contou com envolvimento direto do presidente, daí seu impeachment, movimentou mais de US$ 1 bilhão dos cofres públicos.

MORTE
PC Farias foi encontrado morto, junto com sua namorada Suzana Marcolino, na praia de Guaxuma em 1996. Investigações do legista Badan Palhares deram como resultado que Suzana Marcolino matou PC Farias e suicidou-se em seguida. O caso é considerado oficialmente apenas como um crime passional, mas para o médico-legista alagoano George Sanguinetti e o perito criminal Ricardo Molina de Figueiredo, o casal foi assassinado.

O promotor Luis Vasconcelos não se conformou com a versão oficial, continuando as investigações e levantando supostas evidências da presença de terceira pessoa na cena do crime. Posteriormente, ele denuncia à Justiça os ex-seguranças de PC (e até hoje funcionários da família Farias) Adeildo dos Santos, Reinaldo Correia de Lima Filho, Josemar dos Santos e José Geraldo da Silva que são pronunciados. A defesa recorre até o STF que nega o último recurso em junho de 2011 decidindo que os réus vão a Júri Popular. Os réus foram a julgamento em maio de 2013, sendo considerados inocentes das acusações. As contradições do caso PC Farias foram objeto de matéria jornalística no programa Linha Direta da Rede Globo em 1999, que marcou a estréia do programa.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Um comentário:

  1. É ridículo manter a hipótese de que Suzana matou PC e depois suicidou. Historinha da carochinha.

    ResponderExcluir