TEMÁTICA

Este espaço destacará o túmulo de personalidades famosas do meio artístico e histórico- cultural, sem qualquer conotação político-partidária ou religiosa doutrinária.


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades famosas. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural brasileiro. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

“MEMENTO, HOMO, QUÍA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar.”

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

MILTON MORAES - Arte Tumular - 343 - Cemitério São João Batista, Rio de Janeiro







PERSONAGEM
Manoelito Soares Moraes , mais conhecido como Milton Moraes (Fortaleza, 4 de setembro de 1930 — Rio de Janeiro, 15 de fevereiro de 1993), foi um ator brasileiro.
Morreu aos 62 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Começou a carreira aproveitando uma carona de uma caravana circense que passou por Fortaleza, mas ela se desfez chegando na Bahia. Ele pegou então um ônibus e foi para o Rio de Janeiro tentar a carreira de ator.

Estreou nos palcos cariocas em 1948 com um espetáculo escrito por Amaral Gurgel. Trabalhou em grandes companhias teatrais com Ziembinski, Paulo Autran e Fernanda Montenegro.

Ficou conhecido por seus tipos malandros, boêmios e despreocupados, refletindo a condição dos marginalizados e da população de classe média baixa.

No teatro seu maior sucesso foi a montagem de Um Edifício Chamado 200 que ficou anos em cartaz e com a qual viajou pelo Brasil. Na TV seus melhores trabalhos foram nas novelas Bandeira 2, O Espigão e Escalada. Também participou de outros sucessos, como Dancin' Days, a primeira versão de Cabocla, Água Viva, Final Feliz e a minissérie Anos Dourados. Seu último papel foi na novela O Dono do Mundo, em 1991.

MORTE
Faleceu aos 62 anos, em decorrência de câncer no pulmão.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário:

Postar um comentário