TEMÁTICA

Este espaço destacará o túmulo de personalidades famosas do meio artístico e histórico- cultural, sem qualquer conotação político-partidária ou religiosa doutrinária.


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades famosas. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural brasileiro. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

“MEMENTO, HOMO, QUÍA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar.”

terça-feira, 24 de novembro de 2015

JORGE GOULART - Arte Tumular - 357 - Cemitério da Saudade, Sulacap, Rio de Janeiro



Local: Cemitério da Saudade, Sulacap, Rio de Janeiro


PERSONAGEM
Jorge Goulart, nascido Jorge Neves Bastos, (Rio de Janeiro, 16 de janeiro de 1926 - Rio de Janeiro, 17 de março de 2012) foi um cantor brasileiro.
Morreu aos 86 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Seu primeiro sucesso foi Xangô, de Ary Barroso e Fernando Lobo.

Foi artista da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, onde alcançou fama nacional. Foi casado com a também cantora, Nora Ney com quem teve uma filha.

Jorge foi um dos grandes divulgadores das músicas de alguns dos principais sambistas brasileiros, além de puxador das escolas de samba Império Serrano, Imperatriz Leopoldinense e Unidos de Vila Isabel. Foi também o primeiro intérprete da música A Voz do Morro, de autoria de Zé Kéti.

                              Vídeo: Canal Memoria    -  Nora Ney e Jorge Goulart

DISCOGRAFIA

1945 A Volta/Paciência, Coração
1945 Nem tudo é póssível/Feliz ilusão
1948 Alfredo/Caso perdido
1948 Meu amor/Fiquei louco
1949 Noites de junho/São João
1949 Fantoche/Minha Maria
1950 Miss Mangueira/Balzaquiana
1950 Ai! Gegê
1950 São Paulo/No fim da estrada
1950 Marcha do América/Marcha do Madureira
1955 Brasil em Ritmo de Samba
1977 Jubileu de Prata - (com Nora Ney)
1980 Oh! As Marcinhas - (com Emilinha Borba)

MORTE
Goulart estava internado no Hospital Samaritano, em Botafogo, zona sul do Rio, onde veio morrer devido a uma parada cardiorrespiratória.

Fonte:pt.wikipedia.org
Formatação:Helio Rubiales

Nenhum comentário:

Postar um comentário