TEMÁTICA

Este espaço destacará o túmulo de personalidades famosas do meio artístico e histórico- cultural, sem qualquer conotação político-partidária ou religiosa doutrinária.


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades famosas. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural brasileiro. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

“MEMENTO, HOMO, QUÍA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar.”

quinta-feira, 8 de abril de 2010

VISCONDE DE ITABORAI - 108 - Arte Tumular - Cemitério São João Batista, Botafogo, Rio de Janeiro


ARTE TUMULAR
Base tumular em Mármore retangular, ladeada por duas colunas, uma de cada lado, suportando uma escultura de uma tocha, simbolizando a eternidade e paixão. Na base, na parte frontal (lápide), esculpido no mármore em relevo, o seu nome e datas. Essa base por si, suporta quatro colunas em estilo gótico com abertura ogival nos quatro lados, formando uma capela, que abriga um anjo alado com uma das mãos levantada simbolizando a intercessão pelo morto. A cobertura é composta por um torreão central ladeado por quatro pináculos góticos.
LOCAL: Cemitério São João Batista, Botafogo, Rio de Janeiro
Descrição Tumular: HRubiales

PERSONAGEM
Joaquim José Rodrigues Torres, o visconde de Itaboraí (São João de Itaboraí, 13 de dezembro de 1802 — Rio de Janeiro, 8 de janeiro de 1872), foi um jornalista e político brasileiro.
Morreu aos 70 anos de idade.
BIOGRAFIA
Filho de Manuel José Rodrigues Torres e de Emerenciana Matilde Torres, fez seu estudo básico no Rio de Janeiro e depois partiu para Portugal, onde formou-se em matemática na Universidade de Coimbra, em 1825. Ao retornar ao Rio, no ano seguinte foi logo contratado como lente substituto da Academia Militar. Retornou a Europa em 1827, aperfeiçoou seus estudos em Paris até 1829, retornou ao Brasil e permaneceu no magistério até 1833.
Filiado ao Partido Liberal, fundou o jornal Independente, que teve curta duração. Iniciou na vida pública como ministro da Marinha, em 16 de julho de 1831.
Foi deputado geral na 3ª legislatura pela corte e pelo Rio de Janeiro, primeiro presidente da província do Rio de Janeiro. Em 1837 transfere-se para o Partido Conservador.
Foi também presidente do Banco do Brasil, ministro da Fazenda, conselheiro de Estado e senador do Império do Brasil de 1844 a 1872.
A 11 de dezembro de 1854 foi agraciado visconde, oficial da Imperial Ordem do Cruzeiro, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Foi contrário a lei do ventre livre antes de sua promulgação.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação e Pesquisa: Helio Rubiales

Um comentário:

  1. Minha avó contava-me que meu avô ( Horácio Torres de Moraes ) seria neto do Visconde de Itaboraí. Será ? Por curiosidade, gostaria de confirmar.

    ResponderExcluir