TEMÁTICA

Este espaço destacará o túmulo de personalidades famosas do meio artístico e histórico- cultural, sem qualquer conotação político-partidária ou religiosa doutrinária.


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades famosas. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural brasileiro. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

“MEMENTO, HOMO, QUÍA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar.”

sábado, 2 de janeiro de 2016

JOÃO PAULO (Cantor) - Arte Tumular - 389 - Cemitério Municipal de Brotas, São Paulo










ARTE TUMULAR 
Base tumular em granito escuto polido, com um tampo, também em granito na parte central, com uma cruz latina em bronze e na parte inferior um pergaminho, também em bronze,  ligeiramente curvado com letras em relevo. Na parte frontal uma porta que dá acesso ao túmulo., tendo de cada lado um vaso vazio em bronze, representando a separação do corpo da alma.
Na cabeceira tumular ergue-se uma parede revestida com granito, destacando na parte central o seu nome artístico, envolvido na parte superior por um violão em relevo. Do lado esquerdo destaca-se uma placa em bronze com o seu nome real e datas.

Local: Cemitério Municipal de Brotas, São Paulo
Fotos: Ueliton Rodrigues
Descrição tumular: Helio Rubiales



PERSONAGEM
José Henrique dos Reis (Brotas, 28 de julho de 1960 — Franco da Rocha, 12 de setembro de 1997), mais conhecido como João Paulo, da dupla João Paulo e Daniel, foi um cantor brasileiro.
Morreu aos 37 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
João Paulo era filho de Henrique Neri dos Reis e Faraildes dos Reis, teve uma infância humilde e chegou a trabalhar como pedreiro e carpinteiro. Em 1980, junto com Daniel (José Daniel Camillo) começaram a carreira na cidade de Brotas, interior de São Paulo, em busca do sucesso em um segmento que ainda sofria muitos preconceitos. Separadamente, eles já possuíam alguma experiência: João Paulo formava com o irmão Francisco a dupla Neri e Nerinho e Daniel tocava e cantava em rodas de viola e festivais desde os 5 anos.

O curioso da história da dupla é que os dois eram rivais nas apresentações que faziam em circos, praças e festivais. João Paulo cuidava do gado nas fazendas do pai de Daniel enquanto cantava com o irmão. Mas essa dupla não foi muito longe. Logo João Paulo e Daniel estavam cantando juntos, com o objetivo de gravar um disco, o que aconteceu com ajuda de amigos pela gravadora Continental Chanceler. Estava pronto Amor Sempre Amor, lançado em 1985.

A partir daí, a dupla começou uma busca intensa e incessante pelo sucesso, divulgando o trabalho nas rádios e nas cidades do interior paulista. Porém o mercado fonográfico nacional só começou mesmo a aceitar a dupla, que sofreu inclusive o preconceito racial, em 1992.

Em 1996, com o lançamento de João Paulo e Daniel Vol. 7, a dupla finalmente se consagrou. O CD trazia a canção romântica Estou Apaixonado, versão para Estoy Enamorado, de Donato e Estefano, que fez muito sucesso nas emissoras de rádio e na televisão, tendo sido tema da novela Explode Coração, da Rede Globo. Outra canção da dupla entrou na trilha sonora da novela O Rei do Gado, a toada caipira Pirilume.

MORTE
Em 12 de setembro de 1997, João Paulo voltava para Brotas, onde morava, depois de um show realizado em São Caetano do Sul, dirigindo pela Rodovia dos Bandeirantes. No quilômetro 40,5 em Franco da Rocha, seu carro capotou por várias vezes e o cantor ficou preso às ferragens, não conseguindo sair do veículo, que se incendiou em seguida. Assim foi o fim da dupla, que estava no auge da carreira.

O enterro foi realizado em sua cidade natal (Brotas), e milhares de pessoas participaram, até duplas sertanejas como Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo e Zezé di Camargo e Luciano estiveram presentes para despedida.

No mesmo ano, o show Amigos produziu uma bandeira com uma pintura do cantor, feita em homenagem a ele, com Daniel cantando duas canções: Canção Da América com Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo e Zezé Di Camargo e Luciano e Te Amo Cada Vez Mais com Leandro, Chitãozinho e Luciano. Mesmo depois de perder o amigo e parceiro, o sucesso não parou para Daniel, que continuou na carreira solo.

Ao completar 30 anos de carreira em abril de 2013, Daniel gravou um DVD ao vivo no Credicard Hall em São Paulo, com uma homenagem ao parceiro durante a canção Te Amo Cada Vez Mais, com as últimas imagens do amigo saindo do hotel em São Caetano do Sul rumo à sua cidade natal, pouco antes do acidente.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales








Nenhum comentário:

Postar um comentário