TEMÁTICA

Este espaço destacará o túmulo de personalidades famosas do meio artístico e histórico- cultural, sem qualquer conotação político-partidária ou religiosa doutrinária.


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades famosas. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural brasileiro. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

“MEMENTO, HOMO, QUÍA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar.”

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

WALTER D'ÁVILA - Arte Tumular - 329 - Cemitério São João Batista, Rio de Janeiro.









Local: Cemitério São João Batista

PERSONAGEM
Walter D'Ávila (Porto Alegre, 29 de novembro de 1911 — Rio de Janeiro, 19 de abril de 1996) foi um ator e humorista brasileiro.
Morreu aos 84 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Começou no teatro e estreou na Rádio Sociedade Gaúcha de Porto Alegre em 1952. Foi para a televisão em 1957 na TV Rio e alcançou o sucesso no programa "Praça da Alegria", comandado por Manuel de Nóbrega na TV Record como "O Sabichão", um homem que lia os livros mudando o som ou acentuação das palavras dando-lhes outros significados geralmente completamente errados. Outro personagem famoso foi o "Seu Obturado", que só conseguia entender as anedotas que lhe contavam muito tempo depois (normalmente no final do quadro humorístico).

Trabalhou em vários programas de humor ao lado de Jô Soares, Renato Corte Real e Chico Anysio e fez uma novela, "Feijão Maravilha" na TV Globo. Seu último trabalho foi em "Escolinha do Professor Raimundo" como o "Baltazar da Rocha".

Era irmão da também atriz e comediante Ema D'Ávila.

MORTE
Morreu de insuficiência cardíaca, às 10 horas e 50 minutos do dia 19 de abril de 1996, na Clínica Sorocaba, situada no bairro do Botafogo, no Rio de Janeiro, onde estava internado para tratamento de um câncer.

Fonte: pt.wikpedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário:

Postar um comentário