TEMÁTICA

Este espaço destacará o túmulo de personalidades famosas do meio artístico e histórico- cultural, sem qualquer conotação político-partidária ou religiosa doutrinária.


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades famosas. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural brasileiro. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

“MEMENTO, HOMO, QUÍA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar.”

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

LUIZ ARMANDO QUEIRÓZ - Arte Tumular - 306 - Cemitério São João Batista, Rio de Janeiro



Local: Cemitério São João Batista, Rio de Janeiro
GPS (Localização)
[22°57'32.18"S / 43°11'16.92"W]



PERSONAGEM
 Luiz Armando Queiroz (Recife, 22 de fevereiro de 1945 — Rio de Janeiro, 16 de maio de 1999) foi um diretor e ator brasileiro.
Morreu aos 54 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
 Entre os seus maiores sucessos na televisão estão os personagens "Cláudio" da novela Cuca Legal, o "Belchior" da novela Estúpido Cupido, o "Tuco" da primeira versão da série A Grande Família, e o "Tito Moreira França" da novela Roque Santeiro, todos estes trabalhos exibidos pela Rede Globo. Luiz Armando Queiroz também se destacou em trabalhos na Rede Bandeirantes como em Os Imigrantes, e na Rede Manchete, onde entre outros trabalhos viveu um vilão inesquecível, o personagem "Rodrigo" de A História de Ana Raio e Zé Trovão, trabalho este que pôde ser visto novamente em 2010 com a reprise da novela pelo SBT. Luiz Armando Queiroz também se destacou como diretor de novelas, e entre seus principais trabalhos como diretor estão A Idade da Loba na Rede Bandeirantes, Os ossos do barão no SBT e a minissérie Chiquinha Gonzaga na Rede Globo, um de seus últimos trabalhos.

MORTE
Luiz Armando Queiroz faleceu vitimado por uma falência múltipla dos órgãos devido a consequência de uma quimioterapia quando se recuperava do câncer linfático. Ele descobriu o câncer em dezembro de 1998.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário:

Postar um comentário