TEMÁTICA

Este espaço destacará o túmulo de personalidades famosas do meio artístico e histórico- cultural, sem qualquer conotação político-partidária ou religiosa doutrinária.


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades famosas. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural brasileiro. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.

“MEMENTO, HOMO, QUÍA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó has de voltar.”

sábado, 11 de abril de 2009

IRINEU MARINHO - 45 -Arte Tumular - Cemitério São João Batista, Botafogo, Rio de Janeiro

ARTE TUMULAR
Base tumular em formato retangular em mármore branco, tendo sobre o tampo central relevos retos que lembram uma cruz. Na cabeceira tumular ergue-se uma base de mármore branco em forma de meio circulo, com uma relevo esculpido de uma figura feminina com finas vestes e cabeça coberta com um véu. Está sentada ao lado de um caixão com a cabeça apoiada sobre os braços em posição de lamento e perda. Logo abaixo do relevo está esculpido no mármore o nome do jornalista.
LOCAL: Cemitério São João Batista, Botafogo, Rio de Janeiro, Brasil
Foto: flickr.com/photos/artetumular

PERSONAGEM
Irineu Marinho Coelho de Barros (Niterói, 19 de julho de 1876 — Rio de Janeiro, 21 de agosto de 1925) foi um jornalista brasileiro.
Morreu aos 49 anos de idade.
BIOGRAFIA
Filho de João Marinho Coelho de Barros, contador e empreiteiro de obras, e de Edviges de Sousa Barros, desde cedo demonstrou ser um aluno aplicado.
Em 1891 ingressou no colégio de William Cunditt (Liceu Popular de Niterói) onde fundou o Grêmio Literário Sílvio Romero e os jornais A Pena e O Ensaio. No ano seguinte transferiu-se para o Liceu de Humanidades de Niterói e iniciou colaboração regular no jornal O Fluminense.
Após a Revolta da Armada (1893-1894), foi morar no Rio de Janeiro e conseguiu emprego no Diário de Notícias (de Rui Barbosa) como revisor. Passou por todas as funções, desde repórter até diretor. Trabalhou por um tempo também no jornal A Tribuna.
Em 1903, casou-se com a filha de italianos Francisca Pisani, a Dona Chica, e tiveram seis filhos: Roberto, Heloísa, Ricardo, Hilda, Helena (que faleceu no primeiro ano de vida) e Rogério. Trabalhava duramente para sustentar e educar seus filhos com jornadas de até quinze horas diárias. Trabalha no prestigiado jornal A Notícia e tem como colegas Arthur Azevedo e Olavo Bilac.
Em seu estilo editorial incluem-se a defesa das causas nacionais, a crítica ao coronelismo e aos grandes trustes internacionais – comoLumber Corporation e Brasil Railway Co., estabelecidas no país.
Em 18 de julho de 1911 é fundado A Noite, primeiro vespertino do Rio de Janeiro, do qual é um dos acionistas, e cuja quota de 25 contos de réis é, segundo algumas histórias, proveniente de empréstimos feitos por amigos. Em 1913, seus desafetos da Brasil Railway Co.conseguem infiltrar um representante na sociedade – Geraldo Rocha[carece de fontes].
Na revolta tenentista de 5 de julho de 1922 se posicionou favorável às idéias que culminaram no levante. Em conseqüência disso acabou sendo preso por quatro meses.
Em 1924 viaja à Europa com a família e aproveita para conhecer novas técnicas e equipamentos gráficos mais aperfeiçoados. Neste ínterim, no Brasil, Geraldo Rocha convoca a assembléia de acionistas e aumenta o capital do jornal, restando com Irineu a condição de acionista minoritário, o que acabou por expurgá-lo da empresa que ajudou a construir.
Em 1925 funda seu próprio veículo de comunicação, o jornal O Globo e o primeiro número circula em 29 de julho daquele ano.
MORTE
Quase um mês depois de inauguração, no banheiro de casa, sofre um ataque cardíaco que o mata. Seu filho mais velho, Roberto, ainda que relutante e se sentindo despreparado para a incumbência, assume o jornal quando o colaborador que substitui seu pai, também vem a falecer.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação e Pesquisa: Helio Rubiales


Nenhum comentário:

Postar um comentário